Novidades da Indústria Moveleira

A indústria moveleira tem passando por diversas transformações que afetam a economia. A Detalhe te ajuda a analisar todos esses impactos do setor no cotidiano das pessoas e na produção industrial do País.

Leia a seguir três notícias que separamos para você se manter atualizado:

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE ABIMÓVEL 2018
A Abimóvel (Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário) está desenvolvendo um programa de sustentabilidade direcionado à Indústria Moveleira dentro do Projeto Brazilian Furniture. A ação acontece em parceria com a Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos), ligada ao Ministério das Relações Exteriores.

O Programa de Sustentabilidade Abimóvel 2018 desenvolverá um plano de soluções e diretrizes que orientará as empresas do Projeto na gestão, operacionalização e implementação de uma produção mais sustentável. O objetivo é detectar possíveis ações e demandas que possam ser criadas pela indústria moveleira para melhorar a competitividade do setor internacionalmente. Para a elaboração a Abimóvel buscou o caminho no design thinking.

Ele será realizado durante o ano de 2018, sendo os seis primeiros meses dedicados às pesquisas, investigações e à criação de uma matriz com indicadores para classificar a maturidade das empresas. Com todos os diagnósticos levantados, será elaborado um plano de trabalho para cada nível de maturidade contendo iniciativas voltadas a desenvolver a gestão sustentável das empresas.

A WHF Design Company, consultoria responsável pelo Programa, começou em janeiro um estudo que pretende identificar, mapear e propor práticas para o desenvolvimento de uma gestão sustentável nas empresas do setor moveleiro do Brasil. O foco é entender todas as perspectivas da cadeia produtiva e transformar esses aprendizados em um plano prático capaz de posicionar o país como referência no assunto.

O tema sustentabilidade vem ganhando força a cada ano, sendo um ponto de extrema importância para o mercado atual. “Trabalhar de forma sustentável tornou-se imperativo para as empresas se manterem relevantes a longo prazo, uma vez que a credibilidade ambiental passou a ser um importante fator de competitividade tanto nacional como internacional”, ressalta Daniel Luiz, presidente da Abimóvel.

Iniciativas como o Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU) e seu Guia de Sustentabilidade Empresarial e a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável da ONU, lançada em 2015, confirmam a relevância das questões sustentáveis dentro do mercado de exportação.

Nota_(4)Nota_(3)Nota_(2)Nota_(1)
DADOS DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE MÓVEIS EM FEVEREIRO
Os relatórios mensais “Conjuntura e Comércio Externo do Setor de Móveis” mostram o desempenho do mercado de móveis no Brasil. O monitoramento é feito pela Abimóvel e as publicações são projetadas, elaboradas e editadas pela área de estudos setoriais do IEMI (Inteligência de Mercado). shutterstock_106016237 (1)

Segundo dados do IBGE, a produção de móveis em volumes foi de 38,8 milhões de peças em dezembro, ou seja, queda de 13,9% sobre novembro. No acumulado do ano (janeiro a dezembro), houve alta de 4,6% em volumes. A produção na indústria de transformação sofreu queda de 12,8% no mês de dezembro, porém no acumulado do ano de 2017 cresceu 2,2%, com relação a 2016.

Nota (5)Já no mercado externo, em janeiro de 2018, as exportações somaram US$42,7 milhões, resultado que representa crescimento de 6,9% em comparação com janeiro de 2017. Desse total,  as exportações de móveis para os Estados Unidos merecem destaque, pois tiveram participação de 26,1% dos valores exportados e um aumento de 20,4% em relação a janeiro do ano passado.

EM 2018 A VENDA DE MÓVEIS DEVE AVANÇAR 4,7%
O varejo de móveis nacionais deverá vender cerca de 367,5 milhões de unidades neste ano, totalizando uma receita de aproximadamente R$75,5 bilhões. Esses números representam aumento de 4,8% no volume e 7,8% em termos de faturamento.

Nota_(5)Os dados utilizados são do IEMI (Inteligência de Mercado), das projeções do mercado em 2017, quando se estima que 360,3 milhões de unidades foram comercializadas (alta de 4,2% em vista de 2006).

A Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), elaborada pelo IBGE, também indicada o início de um “ano quente”. Mas, por outro lado os primeiros dois meses do ano foram marcados pela concessão de descontos, além dos geralmente utilizados pelo segmento nessa época.

Apesar da guerra de preços, a aposta do IEMI é de crescimento do ticket médio do setor ao longo de 2018 e deverá ter um avanço de 2,9%. O ticket em 2017 foi de R$194,52 e em 2016 de R$188,95.

*Fotos da matéria: divulgação

 

 

Deixe uma resposta